Uma técnica essencial para organizar a sua vida financeira
Uma técnica essencial para organizar a sua vida financeira

Uma técnica essencial para organizar a sua vida financeira

Você se paga antes de pagar os outros? E como faz com as despesas anuais e eventualidades?

Há algum tempo fiz um vídeo para responder uma das dúvidas mais frequentes que as pessoas me trazem, quando o assunto é organização das finanças pessoais: "como faço para me organizar e pagar todas as despesas à vista e em dia e ainda juntar dinheiro?".

Grande parte das pessoas vivem pensando em como irão pagar as contas a cada mês, ou seja, as contas feitas são simplesmente se o que eu vou receber de salário dará para quitar o que eu tenho que pagar ao final daquele mês. A questão é que existem despesas que são anuais e existem eventualidades. Como se preparar?

A primeira coisa a se fazer, quando o assunto é controle financeiro, é cada um assumir que é o único responsável pelo próprio resultado financeiro, seja ele positivo ou negativo. O problema nunca é do banco, do governo, de outras pessoas ou da economia mundial. Se colocar em posição de vítima, embora seja mais fácil a curto prazo, é o primeiro passo para o fracasso.

O segundo passo é o famoso "se dar o dízimo pessoal", que é nada mais do que tirar um percentual dos seus rendimentos (no mínimo 10%) e começar a investi-lo. Só assim será possível haver crescimento financeiro. Se o que a pessoa ganha, tirando o dízimo pessoal, não dá para pagar as contas, é necessário cortar despesas ou aumentar a renda, pois algo está errado. Se uma pessoa ganha mil reais por mês, deve considerar que ganha novecentos e viver com esse montante. O resto vai formar outro montante a ser investido.

O dízimo pessoal, embora seja fundamental para o crescimento financeiro, não resolve a questão das despesas anuais nem das eventualidades. No Brasil, estamos acostumados a ter diversas despesas no início de cada ano: IPVA, IPTU, material escolar, seguro do carro, dentre outras. Muitas pessoas, quando chegam nesse período, não têm dinheiro suficiente para quitar tudo isso à vista e acabam recorrendo a bancos e financeiras.

O pior é que cada empréstimo é feito normalmente em 48 ou até 60 meses a taxas de juros exorbitantes. No ano seguinte, além de ter que pagar novamente todos os impostos, ainda faltará muitos meses do empréstimo do ano anterior para pagar. Está formada aí uma bola de neve.

Para solucionar isso é que usamos uma técnica, que chamamos de mensalização de despesas anuais, que é basicamente somar a previsão de todas as despesas anuais e dividir por 12. Fazendo isso saberemos quanto devemos poupar a cada mês se quisermos ter tranquilidade no início do próximo ano. Por exemplo:

Supondo as depesas:
IPVA: R$ 1500,00
IPTU: R$ 500,00
Material Escolar: R$ 500,00
Seguro do carro: R$ 1500,00

Nesse caso, temos R$ 4 mil de despesas anuais. Isso significa que é necessário fazer todo mês um depósito em uma conta à parte de pelo menos R$ 4000,00 divididos por 12, o que equivale a R$ 333,33.

Fazendo isso, quando chegarem as despesas, não teremos problemas em quitá-las, ficaremos livres de bancos e do pagamento de juros, e poderemos partir para o próximo nível, rumo à prosperidade financeira.

O conhecimento está em todas as partes, a um clique de nossos olhos. Eu escolho usá-lo ao meu favor e espero, sinceramente, que você também faça isso.

Sucesso!

No vídeo eu mostro em detalhes um exemplo disso tudo que eu citei aqui:

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento